segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Agora sim a velha caminhava, apenas ouvindo sua consciência primordial. Arqueou a vista e notou, muito, muito distante, sombras. Poucas. Sua conversa consigo mesma fora afetada por murmúrios.
-Irei até elas.
Deparou-se com grandes tecidos sem cor, cortados do mesmo tamanho, ao tocá-los percebia como delineava traços, diferentes dos que sentia nas árvores às vezes tão velhas quanto ela. Seguidamente as marcas se repetiam. Tinham graça. Mas bom mesmo é abraçar uma companheira de tempo e sentir.
Quando passou desse lugar, grandes rodas se entrelaçavam movidas por seres sem rosto, silenciosamente. Como chegaria àquelas vozes e seus donos? Deveria ela continuar? Poderia continuar? Acocorou-se. Já ficara angustiada algumas vezes há um quando sem lembranças. De costas um dos homens lhe apontava em uma direção.
- Devo seguir este caminho?
O lugar dos ouvidos dele era despreenchido, arrancado, se bem notado. O apontado era bem entre duas rodas. Fizera o incalculável, não por superstição, mas por que aquilo? Era algo tão importante ? Talvez tivesse superstição: agachou-se e passou pela brecha. Entre elas suspendeu o pé e passou por outra. Untou as mãos e outra. Outra. Outra. Outra.
- Ainda estou passando?
Nuca tivera pés tão grandes.
Era como se todo seu corpo tivesse parte daquela engrenagem. E agora, onde estaria? Nem toda seu a experiência de afugentar e, por algumas vezes, correr dos cães zoadentos poderia lhe ajudar, não tinha espaço. Tudo começa a lhe encher, inchar, crescer. E nesse momento não sente mais seu pulsar. Sua força. As engrenagens não paravam, giravam, giravam e o homem que lhe apontara o caminho ficou muito atrás.
Seu rosto... A velha vira seu próprio rosto. Reconheceu sua profundidade. Estava engrenada. Seu rosto em todos os cantos, via-se em pedaços.
Teria sido melhor ficar longe disto? Como o primeiro idiota que tinha visto queria obrigar-lhe?
Seus rostos se reconheciam. A velha abriu a boca e gritou. Sua voz sobressaiu aos cochichos. Fechou os olhos e escancarou ainda mais sua boca. Estourou. Virou terra.
As pequenas vozes ainda estavam lá. Aí a velha virou pó.

Um comentário:

Tedinho disse...

Fiquei tenso. Ficou engraçado. Ficou legal.